Existem dezenas de opções de cartão de crédito no mercado brasileiro. Muitas das instituições bancárias oferecem aos clientes mais de uma opção, com pacotes que vão desde o básico até o mais completo. Apesar das diferenças existentes entre os cartões das principais instituições financeiras, todos possuem um ponto em comum: taxas salgadas.

O Brasil é um dos países com maior incidência de taxas na utilização de cartões de crédito. Não é por outro motivo que milhares de pessoas se encontram negativas, atoladas em dívidas provenientes da utilização do cartão de crédito. A facilidade em contratar o serviço é tanta que as pessoas acabam se comprometendo com vários bancos ao mesmo tempo.

Se você precisa contratar um cartão de crédito, vale a pena analisar com cuidado os benefícios oferecidos pela instituição financeira, o valor da taxa de manutenção, também conhecida como anuidade e os limites, como de crédito ou transações internacionais. Essas informações ajudam na hora de escolher a melhor opção do mercado.

O que são as taxas dos cartões de crédito

Antes de fazermos a comparação entre taxas de cartões de crédito, é interessante conceituar as taxas. No senso comum, as pessoas tendem a chamar esses valores de impostos. A nomenclatura está completamente equivocada, tendo em vista que os impostos são pagos para o Estado. Qualquer valor pago a uma empresa recebe o nome de taxa.

Nos cartões de crédito, as taxas são pagas à título de manutenção. É comum que sejam chamadas de anuidade, tendo em vista o seu parcelamento ao longo dos doze meses do ano. Dessa forma, o cliente pode ir pagando aos pouquinhos o valor total da taxa do cartão.

Alguns bancos, para atrair mais clientes, acabam apostando em benefícios, como a isenção da taxa de manutenção, mediante gastos mínimos. O cliente que consegue movimentar em seu cartão de crédito certa quantia mensal, fica livre do pagamento da taxa referente ao período.

Comparativo entre as taxas das principais instituições financeiras

NEON

Uma das fintechs de sucesso no cenário brasileiro, o banco NEON oferece aos seus clientes uma conta corrente e cartão de crédito digitais. Isso significa que todos os serviços, incluindo compras, transferências e pagamentos podem ser realizados virtualmente. Nada de agências bancárias!

Com relação às taxas, a boa notícia é que esse banco não cobra anuidade. Isso mesmo, a utilização tanto da conta corrente quanto do cartão de crédito é isenta de taxas. A má notícia é que o cartão de crédito NEON só existe na modalidade virtual. O cartão físico serve apenas para a função débito, o que pode ser um inconveniente para quem realiza compras com frequência.

Itaú

O Itaú não é o melhor banco quando o assunto é economia. As taxas cobradas por essa instituição financeira tendem a ser altas quando comparadas aos valores praticados pela concorrência. No entanto, recentemente a instituição apresentou o Credicard Zero, um cartão isento de anuidade.

Com ele os clientes podem fazer compras nacionais e internacionais, em lojas físicas e virtuais, sem se preocupar com a taxa de manutenção ao longo do ano. As taxas rotativas variam, podendo ficar em até 10% para transações de crédito e 15% para saques emergenciais.

Bradesco

Apesar de não ser uma das principais opções de cartão de crédito, as opções oferecidas pelo Bradesco estão na média nacional, quando se trata das taxas. A taxa para o parcelamento de fatura fica na média de 10%, ao passo que a taxa para saques usando os cartões é superior aos 15%. São valores de praxe no mercado.

Nubank

Um dos preferidos dos consumidores Pessoa Física, o cartão de crédito Nubank é livre de anuidade. Mas as taxas estão lá, sempre que existir atraso no pagamento ou parcelamento da fatura. Se o cliente pagar tudo em dia, jamais terá que se preocupar com os custos de manutenção da conta. Atrasos, no entanto, podem dar dor de cabeça.

A boa notícia é que as taxas cobradas por essa instituição variam, podendo ficar entre 2,5% a 9,75%. Ou seja, dependendo do perfil do cliente, a cobrança pode ser um pouco mais suave.

Inter

O banco Inter anuncia em seus canais oficiais que possui a menor taxa rotativa de cartão de crédito do Brasil. E a informação está correta. São cobrados 5% daqueles que pagam o valor parcial ou valor mínimo da fatura. Dessa forma, mesmo no caso de falta do pagamento integral, o acréscimo tende a ser menor do que em outros bancos.

Vale lembrar que além dos juros rotativos, são adicionados ao montante devido o IOF, Imposto sobre operações financeiras.

Banco do Brasil

As taxas cobradas pelo Banco do Brasil pela utilização do cartão de crédito, no que diz respeito ao parcelamento e pagamento mínimo, eram as mais altas do mercado. Após recente redução, o valor deverá ficar entre 1,92% a 9,79% ao mês, dependo do cartão de crédito e do perfil do cliente.

Santander

Para se adequar às novas regras estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, o banco Santander anunciou que passará a cobrar uma taxa de 2,99% a 9,99% ao mês de seus clientes de cartões de crédito. O valor, a ser definido com base no perfil de cada cliente, bem como da modalidade de cartão utilizada, está dentro da média das instituições bancárias.

Caixa Econômica

Seguindo a onda de reduções na taxa rotativa dos cartões de crédito, a Caixa Econômica federal anunciou que os novos valores devem ficar entre 3,30% a.m. e 9,90% a.m. Antes, a taxa podia chegar a 15%!.

Conclusão

De todos as instituições mencionadas, o banco Inter é o que possui a menor taxa, cotada em 5%. No entanto, o valor é fixo, ao passo que em outras instituições, dependendo do perfil do cliente, a taxa pode ficar em menos de 2% ao mês.

Se você precisa de um cartão de crédito sem taxas, para não ter surpresa alguma no final do mês, uma boa ideia é apostar em uma versão pré-paga. Nesses cartões, não há cobrança de faturas, tendo em vista que o saldo é previamente depositado no cartão.

Comente!

Write A Comment